“Quanto mais dias me deixarem lá, mais Lulas vão nascer neste país”

Agora há pouco, em cima de um caminhão de som estacionado em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, o ex-presidente Lula fez um dos maiores discursos políticos da história do Brasil, que terá o mesmo impacto que teve a carta-testamento de Getúlio Vargas.


Diante da multidão dentre a qual havia grupos gritando palavras de ordem como “não se entrega” e “resistir! Resistir”, Lula explicou porque a sua apresentação à Polícia Federal seria um ato de resistência e não de se entregar.

Foram 55 minutos de pronunciamento feito com voz rouca, emoção, bom humor e frases que certamente vão ficar gravadas na história brasileira:

“Eu não tenho medo deles”.

“Quanto mais me atacam mais cresce minha relação com o povo”.

“Eu sonhei que era possível pobre comer carne todo dia. Eu sonhei que era possível. Eu cometi esse crime. Se cometi esse crime vou continuar criminoso”.

“Não se pode fazer julgamento subordinado à imprensa. Quem quer ir atrás da opinião pública tem que tirar a toga e ser candidato”.

“O sonho deles é a foto do Lula preso. Imagino a tesão da Veja com a foto do Lula preso, a tesão da Globo com a imagem do Lula preso. Eles vão ter orgasmos múltiplos. Eles decretaram a minha prisão e eu vou atender ao mandato deles”.


“Não adianta tentarem acabar com meus sonhos, eu sonharei pela cabeça de vocês. O meu coração baterá junto com o coração de vocês. Eu não pararei porque eu não sou um ser humano, eu sou uma ideia e vocês daqui pra frente vão virar Lulas andando por todo o país. Eles têm que saber que a morte de um comandante não para a revolução”.

“Eu vou enfrentá-los olho no olho”.

“Quanto mais dias me deixarem lá, mais Lulas vão nascer neste país”.

“Eu vou lá nas barbas deles para eles saberem que eu não tenho medo. Façam o que quiserem”!

“Quem cometeu crime foi o delegado, foi o juiz, foi o MPF”.

“Sairei dessa maior, mais forte, mais inocente”.


“Quero provar que eles cometeram crime político contra um homem com 50 anos de vida pública”.

“Esse pescoço não abaixa. Eu vou sair de cabeça erguida e de peito estufado”.

Por Alex Solnik