Especialista lista 11 razões para anular o processo do triplex após a decisão do STF

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem (24 de abril) retirou das mãos de Sergio Moro o processo do sítio de Atibaia e outros trechos da delação de Marcelo Odebrecht. A decisão foi tomada pois o caso não tem relação com a Petrobras e o sítio fica em São Paulo, portanto deve ser julgado pela Justiça paulista.


Isso abre pretexto para a anulação de todo o processo do triplex, o que, além de soltar Lula, o tornaria ficha limpa. Vamos aos fatos:

1- O caso do triplex não tem relação com a Petrobras. O próprio Sergio Moro admitiu isso.

2- Guarujá fica em São Paulo e o caso não poderia ter sido julgado no Paraná. A decisão do STF deixa isso claro no caso de Atibaia.

3- Ficou provado que não houve reforma no triplex.

4- O juiz Sergio Moro negou todos os pedidos da defesa do ex-presidente para visitar e vistoriar o apartamento.

5- O juiz Sergio Moro manteve a delação de Léo Pinheiro, da OAS, em sigilo, bem como as supostas provas, negando à defesa acesso a elas.

6- As notas fiscais utilizadas como provas da reforma são suspeitas pois vieram, na sua maioria, de empresas de Curitiba.


7- A dona da empresa que emitiu nota fiscal do elevador privativo que nunca funcionou é filiada ao PSDB desde 1991.

8- De acordo com a nota, o elevador privativo custou R$ 400 mil quando um elevador custa, em média, de R$ 40 mil a R$ 80 mil.

9 – O TRF4 passou o processo de Lula na frente de 257 processos para julgá-lo antes da eleição e torná-lo ficha suja.

10 – Foi a primeira vez na história em que o TRF4 desrespeitou a ordem dos processos; mostrando que agiu politicamente para tirá-lo da eleição.

11- Com tantas particularidades, fica claro que foi um processo político visando tirar Lula das eleições de 2018.

Leia também: Dona de empresa filiada ao PSDB emitiu notas fiscais de reforma falsa no triplex;

Fontes: 

Fonte: Plantão Brasil