Substituído na CCJ, delegado Waldir diz que está sofrendo ameaças

Após ser substituído na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara por ter declarado que votaria contra Michel Temer, numa manobra conduzida pelo governo para barrar a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), o deputado Delegado Waldir (PR-GO) chamou o presidente de “criminoso”, disse que está sofrendo ameaças depois de se rebelar contra a troca-troca no colegiado e reagiu em tom de ameaça afirmando que os “bandidos do governo” não o conhecem.


— Fui tirado porque o governo, o PR vendeu a minha vaga nessa comissão. Cadê a autonomia do parlamentar? Muitos parlamentares estão de joelhos, rastejando para essa organização criminosa em troca de cargos, de emendas — declarou o deputado.

Waldir afirmou que as primeiras ameaças vieram do PR e depois de outros parlamentares que integram a tropa de choque de Temer para barrar a continuidade da denúncia de corrupção da PGR contra o presidente e que depende de autorização da Câmara para prosseguir no Supremo Tribunal Federal (STF).

Delegado Waldir pediu um plebiscito para tirar Temer do poder, ressaltando a impopularidade do governo:

— O criminoso que está no Palácio ali ao lado tem 93% de rejeição da sociedade. Plebiscito, sem dúvida nenhuma, seria a ferramenta adequada.

O deputado, que já havia feito denúncias sobre a tentativa do Planalto de “comprar” o voto dele na CCJ, com liberação de emendas e readmissão de um indicado que havia sido demitido de um emprego num órgão público, reafirmou as acusações.

— Mais uma vez, o povo brasileiro assiste enojado a barganha que se faz nesta Casa — disse.

— Vi gente chamando Michel Temer de burro (porque não recebeu a mala e está sendo acusado), eu estou chamando de criminoso.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/substituido-na-ccj-delegado-waldir-diz-que-esta-sofrendo-ameacas-21584872#ixzz4miZum8bC
stest