Em delírio, Temer diz: Nunca fizemos tanta coisa como nos últimos 40 dias

Nesta quinta (20), Michel Temer rebateu as críticas de quem fala que o país está parado por conta da crise política. Em evento no Palácio do Planalto, Temer mais uma vez cometeu um delírio, ao dizer que “o governo nunca fez tantas coisas como nos últimos 40 dias ou 50 dias”. Entre os “feitos” ele citou a reforma trabalhista e o investimento de R$ 344 milhões, anunciados pelo Ministério da Saúde, em saúde bucal.


“O governo passa por dificuldades, mas o ministro Ricardo Barros Saúde economizou e agora está convertendo em investimentos. Algumas pessoas dizem que o Brasil parou, mas o governo nunca fez tantas coisas como nos últimos 40 ou 50 dias”, disse antes de citar a aprovação da reforma trabalhista no Senado e enaltecer sua base aliada no Congresso. “O Brasil vai continuar, é esse otimismo que quero transmitir”.

No evento, o governo anunciou que está investindo R$ 344,3 milhões no atendimento de saúde bucal do Sistema Único de Saúde (SUS). A ação possibilitará o custeio de 2299 equipes de saúde bucal, o credenciamento de 34 Unidades Odontológicas Móveis (UOMs) e a aquisição de 10 mil cadeiras para consultórios odontológicos, com raio-x, que funcionam nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs).


A tragédia de Temer é uma farsa que se resolve com um pé na bunda

Por Celso Vicenzi – “Se quiserem que eu saia da presidência, têm que me matar.” A frase de Temer é um blefe (a menos que o remorso o corroa, o que duvido) e uma tentativa de dar grandeza – que Getúlio teve – a um golpista que será lembrado como um dos piores traidores da pátria. Não era um “inimigo” tomando de assalto o poder, era o vice de uma presidenta a quem deveria lealdade, não fosse o que é: um vaidoso, machista, corrupto, covarde, medíocre, falso, traidor e canalha. Mil vezes canalha!

Se houvesse grandeza, haveria pelo menos remorso, o que é pouco provável. A sua ambição de entrar para a história será cumprida, mas não do jeito que imaginou. Sua história não será a de um homem com a coragem de dar a vida pela causa de um povo. Sua ambição mesquinha, sua covardia traiçoeira teve o efeito oposto, o de destruir o sonho de milhões de brasileiros e brasileiras que lutaram e lutam por um Brasil soberano e solidário, capaz de resgatar uma dívida de escravidão e mortes de indígenas e negros, de pobres e de todos que se rebelaram contra o jugo opressor ao longo de séculos.

Não, Temer, você não é personagem de uma grandiosa tragédia, dessas que os livros eternizam na memória de gerações. Você é a caricatura vil, feia, disforme, do desejo de golpistas e apoiadores de um golpe que expõe com tanta clareza a face violenta de uma sociedade que aprisiona milhões de brasileiros a um destino indigno, de fome e miséria, enquanto rouba, legisla e sentencia em favor de uma casta minoritária de “doutores” e “senhores” da Casa-Grande, que se autoenganam com seus títulos “meritocráticos”.

O único suicídio de acordo com o figurino da tragicomédia que você ousou exibir no palco da história, é o suicídio político de um paspalho, num cenário de toscos patos amarelos. Não, você não dará a vida para entrar para a história, porque no seu caso um simples pé na bunda resolve. E é o que você merece!

Com informações de Brasil 247.