Após receber 45 mil para derrubar Dilma, onde está agora Janaina Paschoal?

O que antes era uma especulação divulgada por parte da mídia, foi confirmada por uma das autoras do pedido de impedimento, a advogada Janaína Paschoal. Ouvida por senadores da comissão especial que analisaram o pedido, a jurista admitiu ter recebido R$ 45 mil da legenda para, junto com Miguel Reale Júnior, elaborar um parecer sobre o afastamento de Dilma.


“Eu fui contratada pelo PSDB em maio. Nós propusemos o processo em setembro. Recebi R$ 45 mil para fazer o parecer”, disse, depois de ser confrontada pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM). Antes, Paschoal afirmava que o pedido havia sido feito com base nas reivindicações de “cidadãos indignados”.

“Isso é muito grave! O PSDB contratou, fez o pedido e ainda está relatando o processo do golpe. Um jogo de carta marcada para retirar do poder uma presidente legitimamente eleita com mais de 54 milhões de votos”, escreveu a senadora comunista.

E agora, por que não tem pedido de impeachment contra o governo Temer? Pois é um governo totalmente apoiado por Aécio Neves e pelos tucanos (os mesmos que pagaram Janaína Paschoal). Por isso, agora os juristas nada irão fazer para não desagradar os seus chefes.


Para finalizar a vergonha, após o fim da sessão que selou o impeachment da presidente Dilma Rousseff, a jurista Janaína Paschoal, uma das autoras do processo de impeachment, enviou uma recado para o novo presidente, Michel Temer. “Ele tem uma dívida comigo. Ele me deve ser o maior presidente de todos os tempos”, disse a advogada.

Nem precisou passar muito tempo, para o povo brasileiro perceber a palhaçada que foi feita com a presidenta Dilma. E que a mesma moeda não esta sendo utilizada pelos parlamentares com Temer. Pois, foram todos vergonhosamente comprados com cargos e emendas parlamentares. (Segundo o estadão, alguns deputados que faziam parte do governo. Foram pessoalmente aos plenário da câmara amarrar alguns últimos acordos).