Quase réu, Aécio diz que foi ingênuo ao pedir propina à JBS e sugerir matar o primo

Prestes a virar réu por corrupção, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), responsável direto pelo golpe que destruiu o Brasil, publica artigo nesta segunda-feira, em que diz ter sido ingênuo no episódio em que pede R$ 2 milhões à JBS e sugere que as malas sejam entregues a “alguém que a gente possa matar antes de fazer delação”.


Continue lendo “Quase réu, Aécio diz que foi ingênuo ao pedir propina à JBS e sugerir matar o primo”

A execução de Marielle Franco escancara a farsa da intervenção no Rio

Por Kiko Nogueira – Nove tiros assinalam o fracasso da intervenção militar no Rio de Janeiro. Eles alvejaram a vereadora Marielle Franco, do PSOL, assassinada no bairro do Estácio.


Continue lendo “A execução de Marielle Franco escancara a farsa da intervenção no Rio”

Denúncia contra Temer x impeachment de Dilma: o que é mais grave, pedaladas ou corrupção?

O ano de 2017 dá sinais de déjà vu. A Câmara dos Deputados voltou a ter em suas mãos o poder de definir o destino de um presidente da República, um ano e três meses depois de autorizar a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Após a denúncia feita pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot contra Michel Temer, acusado de cometer corrupção passiva, os deputados aprovaram a não a abertura de um processo penal contra o mandatário. Assim como no ano passado, seriam necessários que no mínimo 342 dos 513 parlamentares sejam favoráveis ao início do processo.


Continue lendo “Denúncia contra Temer x impeachment de Dilma: o que é mais grave, pedaladas ou corrupção?”

O único crime político hediondo no Brasil é a “pedalada fiscal”. Todos os outros são permitidos

O título e a reflexão abaixo é inspirado em um tweet de Paulo Coelho que você pode ver aqui.

Desde que Mário Covas chegou ao governo paulista, o PSDB botou o pé no erário e não largou mais. No Governo FHC, as mutretas eram tantas e públicas que cita-las todas levaria pelo menos 45 anos.


Continue lendo “O único crime político hediondo no Brasil é a “pedalada fiscal”. Todos os outros são permitidos”