Racismo não dá descanso e impacta a saúde e o trabalho dos negros no Brasil

“É coisa de preto”, teria dito o jornalista William Waack minutos antes de entrar no ar em uma transmissão ao vivo. A fala repercutiu como rastilho de pólvora acesa queimando o que houvesse pelo caminho. Foi afastado de sua função de apresentador no mesmo dia e incendiou a discussão sobre o racismo velado no Brasil.


Continue lendo “Racismo não dá descanso e impacta a saúde e o trabalho dos negros no Brasil”

Bolsonaro reedita discurso que Hitler fez em 1933

Não se pode esperar mesmo nada diferente de um político que faz apologia ao estupro, ao dizer à deputada Maria do Rosário (PT-RS) que não a estupra “porque ela não merece”, e não perde oportunidade de incentivar violência contra LGBTs.

Um dos alvos do deputado foi a diversidade religiosa. Delirando em fundamentalismo, Bolsonaro afirmou: “Não tem essa historinha de Estado laico não. O Estado é cristão e a minoria que for contra, que se mude”, ignorando completamente o que diz a Constituição brasileira, que prevê que o Estado é laico. Impossível também não lembrar da frase “Brasil, ame-o ou deixe-o”, utilizada durante a ditadura pelos militares assassinos e torturadores, que Bolsonaro tanto idolatra. No seu “Estado cristão” não tem espaço para minorias, que ele defende que “desapareçam”.

Confira o vídeo abaixo:

E o absurdos não param por aí. O deputado defende, abertamente, o extermínio dos camponeses sem-terra. Ele diz que os latifundiários, que ele define como “homens de bem”, devem se armar, como se eles já não dispusessem de seguranças privados armados e de cobertura da polícia. O genocídio da população indígena no campo é justamente reflexo disto.

Mas para Bolsonaro não basta que o Brasil seja líder mundial em mortes por conflito de terra. Para garantir os lucros dos latifundiários, ele quer ver mais sangue derramado no campo, com fazendeiros armados de fuzis, pois defende que o “cartão de visitas” para o MST deve ser “o rifle 162”. Não importa que muitas terras das gigantes propriedades sejam improdutivas. O necessário é garantir os lucros dos latifundiários.

Mais uma vez o discurso de Bolsonaro serve para legitimar mortes e violência, assim como em suas falas machistas e LGBTfóbicas. Todo o ódio propagado por Bolsonaro e seus seguidores contribui para que, diariamente, os setores mais explorados e oprimidos sejam alvo de violência, de assassinatos e de crueldade. É necessário um grande combate a esta direita fanática e seu discurso assassino. Ao contrário do que desejam, seguiremos vivas, vivos e lutando.

Com informações de Esquerda Diário.